Fundição de alumínio: novidades e tendências

Com a entrada em vigor, em todo o mundo, de leis mais rígidas no que tange à emissão de gases poluentes, as montadoras cada vez mais necessitam desenvolver veículos mais leves, que consumam menos e, portanto, poluam menos.

Para se ter uma ideia, um Land Rover que pesava cerca de 3.100 kg em 2010 e produzia 327g de CO2 para cada 100 km rodados, atualmente pesa 2.200 kg e produz 194g de CO2 por cada 100 km percorridos. Trata-se de uma redução de 29% no peso e quase 41% na emissão de poluentes.

Diante desse cenário, o consumo do alumínio, material mais leve que o ferro e o aço, elementos quase que onipresentes entre as autopeças, tem crescido exponencialmente nos últimos anos. Com efeito, segundo um estudo elaborado pela consultoria Ducker Worldwide, até 2025 o peso médio das peças em alumínio nos veículos fabricados nos Estados Unidos será de 248 kg, contra os atuais 178 kg. Em todo o mundo, somente no setor automobilístico o consumo anual de alumínio será, em uma década, de 15,8 milhões de toneladas por ano. Ou seja, cerca de 30% das peças de um veículo serão de alumínio.

Por conta disso, vêm sendo desenvolvidas novas técnicas de conformação desse metal, que levam em consideração as características mecânicas do produto final e também os custos de fabricação. Entre elas, a fundição sob pressão tem ganhado grande espaço e, atualmente, já está por trás da produção de 35% dos fundidos de alumínio destinados ao setor.

Peças com geometrias complexas em alumínio, ao contrário de outros materiais, podem ser injetadas já em sua forma final, o que contribui para a eficiência do processo

Inicialmente, a fundição sob pressão era mais frequente na fabricação de grupos propulsores (powertrain), como blocos de motores e elementos de transmissão mecânica. Atualmente, é grande o uso também em peças estruturais. Essa tecnologia vem sendo cada vez mais utilizada por gerar produtos praticamente acabados, requerendo pouco ou praticamente nenhum trabalho de usinagem, o que implica menores perdas de material e tempos mais breves de fabricação que os demais processos, fatores que impactam positivamente sobre os custos de fabricação, assim como as menores temperaturas de processo, que requerem um menor consumo de energia.

Outro ponto favorável é que as peças injetadas podem ser fabricadas com paredes muito finas, o que implica menor emprego de material e fabricação de peças mais leves. Ora, o uso de menor quantidade de insumos confere menores custos de produção, uma das demandas da atual indústria automobilística. Por outro lado, a fabricação de peças com paredes mais finas contribui à demanda por veículos mais leves e que, consequentemente, consomem menos combustível e, portanto, geram menor quantidade de poluentes.

As peças injetadas também possuem um excelente acabamento superficial, o que favorece o uso de lubrificantes com menor viscosidade que, no final das contas, pesam menos e, em consequência, favorecem à obtenção de um conjunto mais leve e eficiente.

Por fim, mas não menos importante, peças injetadas podem ter as mais complexas geometrias, o que contribui para a eficiência do processo de produção, já que, ao contrário das peças fundidas em ferro ou aço, e posteriormente usinadas e montadas, as peças em alumínio podem ser injetadas, na maioria dos casos, já no formato final, o que elimina processos intermediários de montagem.

Veja também:

Artigo: O setor do alumínio faz a sua parte, mas o governo não ajuda!

Entre os grandes produtores de alumínio, o Brasil é o único país do mundo a ter todas as refinarias de alumina, o principal insumo na produção do metal, certificadas pelos rigorosos padrões da Aluminum Stewardship Initiative (ASI). Esse reconhecimento inédito, que se estende também às operações de extração de bauxita no País, corrobora a cultura

Artigo: Volta do ICMS sobre exportações e fim da mineração de bauxita

Até 1996, os estados brasileiros cobravam imposto sobre os produtos que exportavam. Sobre eles incidia o ICMS, o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços. O Brasil então seguia na contramão das principais economias do mundo. Estas preferiam desonerar as suas exportações, uma vez que seus produtos seriam tributados no destino final. Esse

Artigo: Rota 2030, híbridos e novos motores

Escrito por Eduardo Tomanik A Toyota lança o primeiro veículo híbrido com motor flex do mundo. Mas, custando mais de R$ 120 mil, mesmo com menor IPI, parece difícil que ele venha a vender volume considerável. Enquanto isso, o mercado brasileiro se adequa ao programa governamental Rota 2030. Tanto para atender suas exigências quanto para

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu