Industrial landscape with high voltage power lines at the sunset

Fornecedores de cabos de alumínio estão atentos a investimentos para o setor elétrico

Primeiro leilão de transmissão de energia promovido pela Aneel será em dezembro

A pandemia da Covid-19 impactou o setor elétrico. Devido às incertezas, o Ministério de Minas e Energia (MME) chegou a adiar os certames previstos para 2020. No entanto, em agosto, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou para dezembro o primeiro leilão de transmissão de energia elétrica do ano. Ao todo, 11 lotes devem movimentar R$ 7,4 bilhões em nove Estados. Os prazos de conclusão das obras variam de 42 a 60 meses.

A expectativa das indústrias que fornecem cabos elétricos de alumínio para o setor é que surjam mais investimentos nos próximos anos.

“O País tem hoje uma demanda reprimida pelos anos de crescimento baixo, a qual tende a ser revertida nos próximos anos. E, seja na transmissão ou distribuição de energia, a Alubar vem fazendo investimentos para garantir o atendimento das demandas”, afirma Maurício Gouvêa, diretor-executivo da Alubar.

“A Aneel deve voltar à rotina de lançamento de leilões de transmissão de energia, com cerca de dois eventos anuais, o que fará com que o Brasil volte a se desenvolver, incentivando o nosso mercado”, acrescenta Vagner Rodrigues, gerente Comercial do Grupo Prysmian.

Em relação ao leilão da Aneel, a perspectiva da Alubar é de atuar junto com os parceiros, oferecendo soluções em condutores de acordo com os lotes disponíveis. 

“Esse leilão, por ser parte do negócio da empresa, assim como os demais, é uma oportunidade de ampliar a nossa participação no desenvolvimento do País”, comenta Gouvêa.

Expansão e novas tecnologias

Em 2018, a Alubar promoveu a expansão de 60% da sua capacidade produtiva na unidade de Barcarena (PA). No ano seguinte, a empresa adquiriu uma fábrica de vergalhões de alumínio no Canadá e outra de cabos elétricos em Montenegro (RS). Além disso, tem realizado mudanças na estrutura organizacional.

A companhia também investe na capacitação profissional, saúde e segurança do trabalho e no programa de lean manufacturing para impulsionar as melhorias na área industrial com ganhos de tempo e produtividade.

“Estamos preparados para atender o mercado do setor elétrico, com disponibilidade produtiva”, garante o diretor-executivo da Alubar.

Já o Grupo Prysmian investe em tecnologias que permitem trazer boas experiências aos clientes, mesmo no período de crise, sempre com foco no desenvolvimento do Brasil e da América Latina.

“Instalamos novas máquinas e equipamentos para atender nichos específicos dos mercados de distribuição e transmissão de energia, que tornarão a empresa mais flexível e rápida nas respostas às demandas emergenciais, assim como nas rotineiras, que são típicas das concessionárias de distribuição de energia”, comenta o gerente Comercial da Prysmian.

Oportunidades na transmissão
Nos últimos anos, um dos segmentos que a Aneel tem desenvolvido é o de sistemas subterrâneos de transmissão de energia (classes de tensão de 230 kV ou acima), cujos projetos possuem alta complexidade.

“O Grupo Prysmian é uma das empresas que investiu neste segmento no Brasil nas últimas décadas, por acreditar que se tornaria necessário no futuro, uma vez que a maioria das grandes cidades não permite mais que se instalem torres aéreas de transmissão em regiões metropolitanas. Para esse tipo de sistema, oferecemos soluções turn-key”, afirma Rodrigues.

Oportunidades na distribuição

Já na área de distribuição de energia, as concessionárias públicas e privadas sofreram com a pandemia da Covid-19 e a falta de fluxo na instalação de novas redes elétricas nas cidades e nas regiões rurais.

Para Rodrigues, o maior impacto foi durante o período de medidas mais restritivas.

“Para 2021, acreditamos que as utilities retomem os investimentos gradualmente nos primeiros meses do ano e voltem à normalidade”, estima.

Na visão do executivo, o Programa Luz para Todos, iniciativa que visa a “universalização” da energia elétrica, também deve continuar puxando a demanda para o setor de fios e cabos, principalmente nas regiões Norte e Nordeste.

Para esse setor, a Alubar lançou o cabo ACFR. Mais leve e com maior capacidade de conduzir energia do que os cabos CAA, com o mesmo diâmetro, o material é indicado para projetos que visam ampliar o fornecimento de energia em grandes centros urbanos, sem a necessidade de construir novas linhas de distribuição, pois o produto reduz o investimento do cliente ao aumentar a oferta de energia elétrica – uma demanda que deve crescer nos próximos anos.

Energia renovável

A Alubar também possui uma linha de condutores de média tensão que pode ser utilizada em circuitos de entrada/distribuição de energia e em circuitos de alimentação e distribuição de subestações, como é o caso de usinas eólicas.

A empresa enxerga oportunidades principalmente no que diz respeito ao segmento de energia renovável, que tem crescido no Brasil nos últimos anos.

Veja também:

Nova Lei do Gás é aprovada na Câmara dos Deputados

A Câmara dos Deputados aprovou, na última terça-feira (16/3), o texto-base do Projeto de Lei 4476/2020 (antigo PL 6407/13) do novo marco legal do gás natural no Brasil, que traz impactos positivos para a indústria do alumínio. A matéria segue agora para a sanção presidencial. Conforme esperado pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) e outras entidades setoriais

Hydro pretende desenvolver projetos de energia eólica e solar no Brasil

Como parte de sua agenda estratégica, a produtora de alumínio Hydro quer investir na geração de energia renovável no País nos próximos anos para garantir uma oferta mais competitiva para os seus ativos industriais. Para isso, assinou dois memorandos de entendimento. O primeiro foi celebrado com a Scatec e a Equinor para o desenvolvimento de

Alubar consolida-se no mercado do alumínio em 2019, segundo relatório anual

Após grande expansão em 2018, a Alubar – fabricante de cabos elétricos e vergalhões de alumínio e de condutores de cobre – seguiu na busca por novos mercados. Assim, a companhia adquiriu em 2019 unidades em Bécancour, no Canadá, e em Montenegro, no Sul do Brasil. Além disso, a empresa bateu recordes de produção e

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima