China Jiangsu metal processing plant workshop, a library of aluminum ingots

Estudo aponta futuro promissor para a indústria do alumínio

Levantamento foi encomendado pelo International Aluminium Institute (IAI)

Uma avaliação inicial sobre o impacto da pandemia da Covid-19 na demanda global de alumínio feita pela consultoria CM Group, a pedido do International Aluminium Institute (IAI), revela que embora seja inevitável a queda em 2020, ainda há otimismo significativo para os próximos 30 anos: a previsão é que a demanda possa atingir 298 milhões de toneladas por ano (mtpa) até 2050.

O documento mostra ainda uma procura crescente por soluções sustentáveis nos segmentos de transporte, infraestrutura, energia e segurança alimentar, tendência que foi acelerada pela crise. Essa constatação reforça as projeções otimistas para o setor do alumínio, material que é sustentável e que pode atender às novas demandas.

“A indústria do alumínio, como todos os setores industriais, ainda enfrenta um futuro desafiador no curto prazo, mas há motivos para otimismo. Precisamos que todos naveguem juntos nesse mar revolto: consumidores, líderes do setor, formuladores de políticas, governos e todas as partes interessadas que contribuem para gerar mudanças positivas”, afirmou Miles Prosser, secretário-geral do IAI.

Para elaborar o relatório, o CM Group utilizou previsões do Fundo Monetário Internacional (FMI) em conjunto com dados da consultoria, além de uma pesquisa realizada junto a players do alumínio.

Para download do estudo (em inglês), clique aqui.

Veja também:

Hydro compra máscaras caseiras de empreendedores locais no Pará

Para estimular a economia local neste período de pandemia do novo coronavírus, a Hydro adquiriu cerca de 230 mil máscaras caseiras de pequenos fornecedores dos municípios em que suas unidades estão instaladas e as distribuiu para os empregados da Mineração Paragominas, Alunorte, Albras e de escritórios regionais. A seleção seguiu os critérios de qualidade e

A pedido da ABAL, Brasil investiga China por dumping na exportação de laminados de alumínio

Após denúncia realizada pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL), a Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia (Secex) abriu investigação sobre a venda de produtos laminados de alumínio chineses por um preço menor do que o cobrado no mercado interno daquele país, o que afeta a indústria brasileira. Se a prática, chamada de dumping,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu