MRN 2019_Foto Tarso Sarraf _01139

Em prol do meio ambiente, MRN investe na compostagem

Processo gera adubo que é utilizado na jardinagem das residências no Oeste do Pará

A Mineração Rio do Norte (MRN) tem utilizado a compostagem como alternativa para o gerenciamento de resíduos orgânicos no distrito de Porto Trombetas, em Oriximiná, no Oeste do Pará, onde opera uma mina de bauxita.

Compostagem, vale explicar, é um processo de estimulo à decomposição de materiais orgânicos com a finalidade de obter uma solução em substâncias com capacidade de adubar o solo. O trabalho acontece na Central de Tratamento de Resíduos Sólidos Urbanos (CTR).

“Para que a compostagem dê certo, é necessário que a coleta seletiva de resíduos sólidos seja atendida na região”, explica Carlisson Alves Romano, engenheiro Sanitarista e Ambiental da MRN.

Por mês, em média, cinco toneladas de resíduos orgânicos oriundos do descarte realizado pelos moradores, restaurantes industriais, entre outros, são reaproveitadas.

Na CTR, acontece a mistura desse material coletado com o resíduo vegetal (capim/grama), proveniente do serviço de roçagem das áreas verdes da vila residencial. O tempo do processo de compostagem é de 90 a 110 dias.

O adubo orgânico resultante desse trabalho é utilizado na jardinagem das residências da vila de Porto Trombetas.

Entre os principais benefícios da compostagem, estão:
– a redução dos custos com a destinação final;
– a diminuição da quantidade de resíduos descartados no aterro sanitário do distrito, que trazem impactos ao meio ambiente.

Veja também:

MRN atinge meta de reflorestamento em 2020 no Pará

A Mineração Rio do Norte (MRN), que mantém uma operação com bauxita na Floresta Nacional Saracá-Taquera, no município paraense de Oriximiná, finalizou o ano de 2020 com mais de 500 ha de área reflorestada. O resultado ficou acima da média anual, que gira em torno de 350 a 400 ha. Ao todo, o trabalho envolveu

MRN apoia programa de conservação de quelônios no oeste do Pará

A Mineração Rio do Norte (MRN) é parceria do Programa Quelônios do Rio Trombetas (PQT), que contribui com a sobrevivência da tartaruga-da-amazônia e de outras espécies que sofreram ameaça de extinção, como tracajás e pitiús da Reserva Biológica do Rio Trombetas (Rebio Trombetas). Atualmente, o trabalho é desenvolvido pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da

Estudo aponta distorções provocadas pela China no mercado de alumínio brasileiro

O crescimento da indústria chinesa de alumínio nos últimos 15 anos foi imenso: dono de 24% de tudo que era ofertado ao mercado em 2005, o país asiático foi, em 2019, responsável por 54% do metal produzido globalmente. Mas, por traz desse avanço impressionante, existe uma série de benefícios concedidos pelo governo local, como o

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima