Couple shopping for latest laptop and smartphone at tech store

Em alta, setor de eletroeletrônicos aposta cada vez mais no alumínio

Leve e resistente, metal confere aspecto sofisticado aos produtos

Notebooks, smartphones, tablets e TVs de tela plana são dispositivos indispensáveis em um mundo conectado à internet. E isso ficou ainda mais evidente durante a quarentena imposta pela pandemia do novo coronavírus. O isolamento social e a adesão ao regime de trabalho home office impulsionaram esse setor.

Desde março, as vendas de notebooks e tablets subiram mais de 170%; e de celulares e TVs, aumentaram 125% e 126%, respectivamente, de acordo com a consultoria GFK. Neste período, foram lançados cerca de 80 produtos eletrônicos.

E é neste mercado de tecnologia que o alumínio está cada vez mais presente. A Apple, gigante do setor, usa amplamente o metal em seus produtos. Os modelos do IPhone 11, por exemplo, têm o corpo produzido com alumínio aeroespacial para garantir resistência e durabilidade.

Já os Macbooks contam com tecnologia unibody, cuja construção ocorre a partir de uma única peça de alumínio, que reduz drasticamente o peso desses laptops e possibilita um design mais fino. Com foco na sustentabilidade, a última versão do Macbook Air – que chegou ao mercado brasileiro no ano passado – é feita com alumínio 100% reciclado, além de 35% de plástico reutilizado.

Um dos lançamentos do mercado, o notebook Acer Aspire 5 – A515-54-587L – também contém alumínio na carcaça e nas dobradiças.

“O metal já faz parte do parque fabril de produção de notebooks antes mesmo da pandemia e mantém-se estável no segmento. Ele possui um bom custo-benefício aliado à resistência térmica. Além disso, traz um acabamento mais bonito e design diferenciado aos produtos”, comenta Renato Almeida, gerente sênior de produtos da Acer Brasil.

A melhor opção
De acordo com a Rusal – segunda maior indústria de alumínio do mundo e fornecedora desse setor – os fabricantes globais de eletrônicos têm optado pelo metal para substituir outros materiais. Segundo a empresa, porque se trata de um material mais forte e confiável do que o plástico e mais leve do que o aço, por exemplo. Além disso, absorve e dissipa o calor que é gerado pelos dispositivos.

Neste contexto, já existem no mercado novas ligas que permitem aos engenheiros e projetistas implementarem soluções de design complexas e ousadas. A Novelis é uma das empresas que fornece alumínio laminado premium para o setor, a partir da fábrica sediada na Coréia do Sul. As ligas mais usadas são dos grupos 1XXX e 3XXX.

“Nossa expertise e alto poder de inovação nos permitem estar sempre preparados para atender rapidamente esse segmento, que está em constante transformação. Percebemos crescimento na oferta de produtos eletrônicos que utilizam o alumínio no seu exterior”, ressalta Guilherme Superbia, gerente de Excelência Comercial e Marketing da Novelis.

Na opinião do executivo, o alumínio possui propriedades que fazem dele um metal único, de alta qualidade, ideal para um mercado que passa por inovação contínua.

“Cada vez mais, as principais marcas globais do setor de eletrônicos recorrem ao alumínio, como forma de aumentar a eficiência dos produtos e, ao mesmo tempo, torná-los mais atraentes esteticamente.”

Veja também:

Projeto inspira jovens profissionais a ingressar no mercado do alumínio

No cenário atual de incertezas — também em decorrência da pandemia do novo coronavírus —, disseminar conhecimento, compartilhar experiências e dicas são primordiais para os estudantes de graduação e recém-formados se prepararem para o mercado de trabalho. Atenta a essa demanda e na busca constante pela aproximação com o meio acadêmico, a Associação Brasileira do

Reserva ambiental mantida pela CBA é destaque em Goiás

O Legado Verdes do Cerrado é uma reserva particular de desenvolvimento sustentável da Companhia Brasileira de Alumínio (CBA). Localizada em Niquelândia (GO), a área, de 32 mil ha, sendo 80% de cerrado nativo, administrada pela Reservas Votorantim – gestora de ativos ambientais do grupo – destaca-se pela conservação e nova economia integrada com atividades tradicionais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu