General Walter - Fotos Vagner Campos/ Divulgação

Economia consciente ganha espaço na gestão

O ano de 2015 trouxe mostras dos efeitos de uma gestão frágil dos recursos hídricos no Estado de São Paulo e o setor industrial foi um dos mais afetados. Na Tubex, indústria de tubos de alumínio para aerossol, a água é responsável pela etapa de processo de lavagem no preparo para aplicação do acabamento final de tintas e vernizes. Segundo Reinaldo Palumbo, gerente de projetos industriais, a crise hídrica impactou o custo operacional com possibilidade de parada de produção pela falta de água: “Foram adotadas medidas de alteração de equipamentos e de produtos utilizados no acondicionamento da água, para reduzir o consumo”, conta.

Já na CDA Metais, a água participa na mesa de têmpera e no processo de extrusão. Além disso, auxilia no processo do acabamento superficial de pintura eletrostática. Todo o consumo é processado numa Estação de Tratamento de Efluentes (ETE) e enviado a um reservatório para reúso. A crise conscientizou a empresa e o monitoramento passou a ser mais rígido: o resultado foi a redução de 40% do uso de água potável em 2015.

Para a Novelis, a questão se tornou um case de sucesso: investiu na substituição da estação de tratamento de água de sua fábrica em Pindamonhangaba, SP. “O novo sistema possibilitou incremento de performance, levando a um aproveitamento ainda maior do recurso”, diz Douglas Souza, gerente de EHS da Novelis. A empresa adotou a solução “Actifloco”, da Veolia Water Technologies, para reduzir o nível de poluentes e de microalgas presentes na água e diminuir o impacto destas substâncias.

Segundo Souza, a água empregada para a produção do alumínio requer um alto nível de qualidade em diversos parâmetros físico-químicos. Apostar em empresas que são fornecedoras de serviços voltados para melhor gestão do recurso hídrico pode ser uma solução. A General Water implanta e é responsável pela operação e manutenção de estações de tratamento de efluentes. Fernando de Barros, gerente comercial da empresa, descreve o serviço: “Implantamos e operamos, com recursos próprios, sistemas de abastecimento de água e tratamento e reúso de efluentes para nossos clientes”, diz.

A crise hídrica foi um fator relevante na prestação de serviços da empresa, já que muitos clientes buscaram autonomia em relação às concessionárias de água. “Quando um grande consumidor passa a usar uma fonte própria, o risco de desabastecimento cai, aumentando a segurança e a previsibilidade das operações”, afirma. Algumas empresas fornecem soluções que auxiliam nos processos das indústrias.

É o caso da AgSolve, que desenvolve as sondas multiparâmetros, que permite a identificação dos componentes da água. De acordo com Ivanildo Hespanhol, professor da Escola Politécnica da USP, o potencial para o reúso dentro da indústria é muito amplo e tudo depende do tratamento que será feito no efluente. “A utilização e o desenvolvimento de novas tecnologias mais baratas, como a utilização das ultramembranas de filtração, são alternativas para reduzir os gastos”, indica.

Veja também:

Setor de construção civil quer ser protagonista da retomada da economia

A Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio (Afeal) realizou na última quinta-feira, 14 de maio, uma transmissão ao vivo pela internet, a famosa “live”, com o tema “Virando o jogo: a retomada da construção pós Covid-19”. A iniciativa contou com a participação de dirigentes das principais entidades representativas do setor. Na ocasião, José

Versatilidade torna o alumínio ideal para a construção civil

Funcional, leve e resistente à corrosão, o alumínio está cada vez mais presente nas estruturas do setor da construção civil. Sendo a melhor opção em comparação ao aço para muitas ocasiões, o metal também se destaca pela durabilidade, comprovada em grandes projetos arquitetônicos do mundo todo. Magda Reis, consultora da Associação Brasileira do Alumínio (ABAL),

Soluções com alumínio marcam presença na Expo Revestir 2020

Realizada em março, em São Paulo — antes da eclosão da pandemia do coronavírus/Covid-19 pelo Brasil —, a 18ª Expo Revestir, feira internacional para a área de revestimentos e arquitetura, contou com mais de 200 expositores e contabilizou cerca de 55 mil visitantes. O alumínio esteve presente nas novidades de vários estandes. O destaque verificado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu