AdobeStock_47521136

Dólar impacta o preço do alumínio, diz presidente-executivo da ABAL em evento de perfis

Milton Rego lembra que moeda americana subiu 40% desde o início do ano

O preço do alumínio foi um dos temas de debate na liveVirando o jogo: abastecimento e fornecimento de perfis”, realizada pela Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio (Afeal) na última quarta-feira (30/9). Na ocasião, Milton Rego, presidente-executivo da Associação Brasileira do Alumínio (ABAL), apresentou as variáveis que impactam o custo final do metal: London Metal Exchange (LME), prêmio e dólar.

“O alumínio é uma commodity. Ele é transacionado no mercado mundial. Quem define o preço é a bolsa de mercadorias de Londres, conhecida como LME. O Brasil é um tomador desse preço”, esclareceu Milton.

Segundo o dirigente da ABAL, a compra e venda do metal na bolsa de Londres também depende da disponibilidade. Isso porque o material fica estocado em diversos armazéns, especialmente em alguns países da Europa. Os agentes que fazem a comercialização têm a obrigação de depositar o metal nesses locais.

Ao vender o alumínio, é preciso retirá-lo desses armazéns para enviá-lo ao porto de destino, respeitando a fila de comercialização da LME. Nessa etapa, surge outra variável conhecida como prêmio, que inclui o custo (frete) e a disponibilidade imediata do metal. Esse prêmio pode ser maior se quem comprou quiser antecipar o seu lugar na fila, ou mesmo se o porto de destino não tiver muita oferta do metal.

No Brasil, a dinâmica de formação de preço é a mesma — LME e prêmio. Além disso, as matérias-primas, como a alumina, seguem a mesma linha. No entanto, ainda é preciso converter esse valor de dólar para o real.

“No início do ano, a moeda americana estava cotada a R$ 4 e hoje está sendo negociada a R$ 5,60. Houve um aumento de 40%. No mercado brasileiro, a variável que mais afetou o preço final do alumínio foi o dólar”, afirmou Rego.

Durante o debate, os participantes também comentaram que, geralmente, a LME e o dólar caminham em direção contrária em relação a um e outro: quando um sobe o outro desce. Nos últimos meses, os dois subiram e houve um recorde histórico de preços em reais.

Veja também:

Alumínio possibilita a fabricação de esquadrias minimalistas

Integrar o projeto comercial ou residencial com o entorno e a natureza é uma tendência que tem exigido dos arquitetos e designers soluções inovadoras. A opção mais indicada tem sido criar grandes áreas envidraçadas por meio de esquadrias minimalistas. E o alumínio é o material que atende melhor essa demanda, ainda recente no Brasil, para

Esquadrias representam 80% do alumínio consumido na construção civil

Durável, leve e resistente à corrosão, o alumínio tem sido o material mais indicado para a fabricação de esquadrias, por meio de produtos extrudados. Hoje o setor, que inclui fachadas, janelas e portas, representa cerca de 80% do volume total do alumínio consumido na construção civil. A informação é de Magda Reis, consultora da Associação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu