imagem (1)

Cresce a demanda por produtos de alumínio para o setor náutico

Elfer, empresa que fornece alumínio para o segmento, tem previsão de dobrar a participação neste mercado em 2021

Por conta da pandemia da Covid-19, o turismo náutico no Brasil tem apresentado expansão por ser uma opção de lazer segura, mais privativa e possibilitar o contato com a natureza. Segundo a Associação Brasileira dos Construtores de Barcos e seus Implementos (Acobar), o mercado nacional fechou o ano passado com acréscimo de 20%.

Como consequência positiva, a indústria de alumínio Elfer, localizada em Pindamonhangaba (SP), tem visto crescer a sua produção para o setor náutico. A empresa atua como fornecedora de chapas, cortes especiais e peças customizadas para a confecção de embarcações.

“De 2019 para cá, observamos que a demanda nessa área aumentou e a previsão é dobrar a nossa participação nesse segmento em 2021”, afirma Fabio Passerini, gerente da Unidade de Negócios da Elfer.

Conheça os benefícios que o alumínio proporciona para a indústria naval:

  • Alta resistência à corrosão é à intempérie;
  • Baixo custo de manutenção;
  • Durabilidade;
  • Maior capacidade de transporte de carga;
  • Material infinitamente reciclável;
  • Menor investimento em motorização.

“O Brasil possui uma área costeira extensa, muitas represas e rios navegáveis. Por isso acreditamos que existem grandes oportunidades de crescimento, o que beneficiará outros setores da cadeia, gerando empregos e alavancando a economia”, explica Passerini.

Veja também:

Poços de Caldas, cidade das águas termais e do minério de bauxita

Devido à formação geológica rica em minério de bauxita, a cidade de Poços de Caldas, localizada no Sudoeste de Minas Gerais, divisa com o Estado de São Paulo, ofereceu uma contribuição importante para o início da produção de alumínio primário no Brasil. A região atraiu investimentos da Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) há 80 anos

Casais se conhecem trabalhando para a MRN na Amazônia

Neste Dia dos Namorados, conheça duas histórias de amor que tiveram início em períodos distintos no projeto da Mineração Rio do Norte (MRN), desenvolvido no distrito de Porto Trombetas, município de Oriximiná (PA), em pleno coração da Amazônia. Em 1986, dois jovens se conheceram durante encontros com amigos em espaços de lazer, jogos no ginásio

Baterias de íons de alumínio: mais eficiência e sustentabilidade

O Instituto Australiano de Bioengenharia e Nanotecnologia, da Universidade de Queensland, na Austrália, e o Grupo GMG (Graphene Manufacturing Group) anunciaram o início da produção dos primeiros protótipos comerciais de baterias de íons de alumínio com eletrodos de grafeno.  A tecnologia tem potencial para transformar o mercado de baterias recarregáveis em alguns anos, colocando-se como

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima