Fotorespirador ok

Covid-19: setor do alumínio doa chapas para projeto de ventilador pulmonar de baixo custo

Por meio da associada CBA, ABAL atendeu demanda da Poli-USP em menos de 24 horas

A Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) criou um projeto de ventilador pulmonar mecânico emergencial de baixo custo, denominado Inspire, para colaborar com a crise da Covid-19 no Brasil.

Consciente da importância desse trabalho, a Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) disponibilizou em menos de 24 horas, por meio de doação da Companhia Brasileira de Alumínio (CBA), chapas de alumínio para serem utilizadas em componentes do equipamento. 

“Estamos muito confiantes de que o alumínio se mostrará uma solução eficaz para o ventilador, pois o material já é usado em diversos equipamentos médico-hospitalares, bem como em embalagens de remédios e até nas estruturas empregadas na montagem dos hospitais de campanha. A verdade é que o alumínio é cada vez mais essencial neste momento”, diz Milton Rego, presidente executivo da ABAL.

Os pesquisadores da Poli-USP estão na fase de testes de operação do ventilador e o modelo deve ficar pronto no final de abril para produção em escala industrial, quando deverá ter o aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A patente do aparelho é aberta e seu custo estimado é de R$ 1 mil, bem abaixo do preço dos aparelhos importados, disponíveis a partir de R$ 15 mil.

Foto de abertura: Poli-USP

Veja também:

Hydro compra máscaras caseiras de empreendedores locais no Pará

Para estimular a economia local neste período de pandemia do novo coronavírus, a Hydro adquiriu cerca de 230 mil máscaras caseiras de pequenos fornecedores dos municípios em que suas unidades estão instaladas e as distribuiu para os empregados da Mineração Paragominas, Alunorte, Albras e de escritórios regionais. A seleção seguiu os critérios de qualidade e

A pedido da ABAL, Brasil investiga China por dumping na exportação de laminados de alumínio

Após denúncia realizada pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL), a Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia (Secex) abriu investigação sobre a venda de produtos laminados de alumínio chineses por um preço menor do que o cobrado no mercado interno daquele país, o que afeta a indústria brasileira. Se a prática, chamada de dumping,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu