SSUCv3H4sIAAAAAAAEAH1RsW7CMBDdK/UfIs8gASYhYWfo1qEb6nDY13DC+CrbASHEv9eOieqh6ub33t0737v760tViQN4UmJb3ROKmIwZfHAQiG2kF7Mnj5oCOwKTyMQ9RkX4AGHw6JPFk1IQsI+1mXz2T3P2GVeTMIqxI0rizeo0Ow2ZFaofDkl95yu6CqyudhZdfxNTyWP2j+cHqqNlw7H+D8+dQRUcW1L+1y4/PqfNoUerbuN+xd4ODULee59Lxeka0J3LJC6kkQsMgyYuQrmwApMaZOH87UiR7Ys2Dkd0ZcAxJT4XhOUw/kTkHYWOF0hwKZftQrZSLptu3a6bzUpMV2N1Il3+NR/ySFFyt4InnZzapm429aqbyxV283VzUHPQ8BVftaxbJTWoJib4+AFwir2hVQIAAA==

Covid-19: custo da energia causa preocupação durante a crise

Webinar promovido pela Associação Brasileira do Alumínio apresenta panorama atual para as empresas associadas

No dia 16 de abril, o ABAL Insights – Covid-19 teve mais um webinar exclusivo para os membros da Associação Brasileira de Alumínio (ABAL). Em pauta, a discussão sobre os impactos da pandemia nos contratos de energia elétrica, essencial para a produção do metal.  

Paulo Pedrosa, ex-secretário do Ministério de Minas e Energia (MME) e atual presidente da Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres (Abrace), foi o palestrante.

Segundo o especialista, boa parte do setor de energia funciona no modelo de contratos de concessão e de regulados a longo prazo — com uma série de garantias.

“Em muitas situações, a distribuidora e a transmissora de energia não são afetadas pela queda de mercado. Quando uma transmissora vence o leilão do governo, por exemplo, é como se estivesse alugando suas instalações para os consumidores, os quais pagam na forma de uma Receita Anual Permitida (RAP)”, explica.

Preço da energia
Antes da pandemia do novo coronavírus, a energia elétrica já tinha um custo alto para a economia, o que afeta diretamente a competitividade da cadeia do alumínio.

“Era um paradoxo, pois o Brasil é o país da energia barata. O governo faz leilões e compra energia renovável por algo em torno de US$ 20 por MW/h. O custo de transmissão e a energia que alimenta a produção nacional poderiam ser muito baixos”, alega.

Para Pedrosa, a energia é cara para o consumidor porque são agregados a ela custos novos, decorrentes de políticas públicas, ineficiências e regras próprias do setor, comprometendo esse potencial brasileiro.

O especialista cita como exemplo a legislação criada para estimular a geração de energia distribuída, a qual permitiu que pequenas fontes de energia solar e eólica pudessem atender os consumidores sem pagar pelo transporte de energia e os encargos. Esse custo foi redistribuído pelo mercado e pago especialmente pelas grandes indústrias. O mesmo acontece no caso da energia incentivada, em que é paga apenas metade do transporte de energia.

“Esses modelos, apesar de levarem a uma competitividade contratual, aumentam o custo geral do sistema”, alega.

Prejuízos
O novo coronavírus diminuiu a demanda por energia. Além disso, nota-se o aumento do furto e da inadimplência.

“A distribuidora é a arrecadadora da cadeia da energia. Ela paga a transmissora e os geradores, além dos encargos para cumprir a política de governo. Isso está ameaçando a cadeia de recebíveis. E o setor como um todo está se mobilizando junto ao governo para pedir uma solução salvacionista.”

A proposta inicial, de acordo com Pedrosa, era transformar esse prejuízo em uma conta paga pelo consumidor.

“Isso nos preocupa muito, principalmente porque a conta vai ser paga via CDE – Conta de Desenvolvimento Energético, onerando mais as indústrias que usam muita energia e pouco transporte, já que é indexada na proporção da energia consumida. Esse é o embate do momento.”

Visão da indústria
Diante desse cenário, a Abrace e a ABAL, junto com outras entidades setoriais, enviou uma carta aberta para o governo com medidas emergenciais para preservar a competitividade futura e evitar um aumento de até 20% nas tarifas de energia.

“É importante que a demanda contratada de energia seja paga conforme o utilizado; as indústrias precisam de capital de giro para preservar a produção e o emprego”, diz.

Pedrosa entende que os problemas do setor elétrico devem ser resolvidos de forma distribuída, com uma solução em que cada um pague um pouco. O especialista defende a redução de encargos que entram na cadeia produtiva e não são compensados, virando custo de produção para as indústrias. Além disso, para minimizar o problema, busca a participação do Tesouro e o uso de fundos setoriais.

Segundo Pedrosa, os agentes da cadeia do setor elétrico poderiam participar da solução, de forma negociada, sem quebra de contrato.

“Por último, que a parte que caiba aos consumidores esteja associada ao custo que cada um deu ao sistema. E que não se criem novos subsídios cruzados entre o mercado livre e o mercado regulado, e a baixa e alta tensão, algo que nos preocupa muito”, acrescenta.

Mercado livre
Ao contrário do mercado regulado, não há um tratamento único para todos os consumidores no mercado livre.

“Cada contrato e cada consumidor têm uma condição especial. Isso precisa ser renegociado entre compradores e vendedores.”

De acordo com dirigente da Abrace, o entrave envolve desde a indústria que parou de produzir porque o governo a impediu — com contrato e cláusula de força maior — até a que ainda mantém a produção sem contrato com dispositivo de força maior.

“Os fornecedores têm muita preocupação com a possibilidade de o comprador tentar derrubar integralmente o contrato para fazer um acordo mais barato pelas novas condições de mercado. Mas, na maioria dos casos, há muita razoabilidade em reduzir a quantidade de energia entregue agora para que seja reprogramada no futuro”, afirma Pedrosa.

 

Veja também:

Câmara dos Deputados aprova texto base da ‘Nova Lei do Gás’

A Câmara dos Deputados aprovou na noite do dia 1º de setembro o texto-base da chamada Nova Lei de Gás, Projeto de Lei 6407/13, que altera o marco regulatório do setor de gás natural, matéria-prima importante para a geração de energia elétrica das indústrias de alumínio. Agora, o projeto será submetido ao Senado Federal. Entre

Grupo Alubar abre empresa para centralizar administração

Fabricante de cabos elétricos e vergalhões de alumínio, o Grupo Alubar acaba de criar a Alubar Global Management. Com escritório localizado em São Paulo, a companhia buscará fortalecer a administração das unidades e escritórios no Brasil, Canadá e Estados Unidos, além de prospectar novas oportunidades de mercado. Dirigida por Maurício Gouvêa (na imagem, o terceiro

Quando o alumínio é a melhor opção para cabos de energia elétrica?

O setor elétrico registrou a maior alta (26,9%) dentre os mercados que mais consumiram alumínio em 2019, de acordo com o Anuário Estatístico 2019, divulgado pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL). O resultado positivo está relacionado à fabricação de cabos de energia elétrica. Para entender o uso crescente desse material com o metal, mostramos a

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu