AdobeStock_109352504 (1)

Consumo de alumínio recua 4,2% em 2020, segundo Anuário Estatístico da ABAL

Apesar da queda, o faturamento foi positivo e a cadeia produtiva demonstra otimismo com as operações no segundo semestre de 2021

A Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) divulgou o já tradicional Anuário Estatístico com dados do mercado em 2020. Segundo a publicação, o consumo doméstico de produtos transformados de alumínio, que vinha crescendo nos últimos anos, registrou queda de 4,2% no ano passado. O Brasil adquiriu 1.424 mil toneladas, contra 1.486 mil t em 2019.

O cenário desafiador da crise sanitária no país não afetou apenas o consumo, mas se refletiu também no Produto Interno Bruto (PIB) nacional, que apresentou uma queda histórica de 4,1% em 2020. Apesar disso, a cadeia produtiva do alumínio investiu R$ 1,2 bilhão no período, um crescimento de 20% em relação ao ano anterior. O faturamento também teve alta, de 4% na mesma base de comparação, e atingiu R$ 88,3 bilhões.

“O Anuário é uma publicação consolidada e esperada pelo mercado, pois se trata de uma ferramenta de apoio à tomada de decisão das empresas, além de se constituir em guia de referência para a imprensa e órgãos públicos”, comenta Otavio Carvalheira, presidente do Conselho Diretor da ABAL e da Alcoa Brasil.

Protagonismo dos cabos
O mercado de cabos elétricos de alumínio foi uma exceção, com aumento do consumo em 2020. O volume passou de 193 mil t em 2019 para 213 mil t no ano passado.

A Alubar, que atua neste segmento, registrou um crescimento de 22% na área de transmissão de energia em relação a 2019, ao comercializar mais de 105 mil t de condutores elétricos. Já na área de distribuição de energia, o aumento da empresa foi de 5%, fechando com mais de 10,6 mil t.

“Neste mercado, os maiores volumes de pedidos são feitos com antecedência, de forma que a produção depende diretamente da demanda de consumo. O ano de 2020 foi muito positivo para a empresa, alcançamos números de faturamento superiores aos de 2019, tanto nos mercados de transmissão quanto de distribuição de energia elétrica”, reforça Maurício Gouvea dos Santos, diretor-executivo da Alubar.

Cabos elétricos de alumínio: consumo passou de 193 mil t em 2019 para 213 mil t no ano passado (Imagem: AdobeStock)

Bauxita e alumina
A produção do minério aumentou 3% em relação a 2019, totalizando 32.898 mil t.

Já a fabricação de alumina teve a terceira alta consecutiva no ano passado, de 11,1%, com volume de 10.185 mil t.

“No ano passado, a pandemia pôs todos à prova. E a indústria do alumínio teve seus desafios, impactados pela desaceleração da economia mundial. Aos poucos a economia melhorou, a indústria reagiu e conseguiu acompanhar o ritmo de um ano marcado por mudanças tão significativas, alcançando bons resultados de maneira geral”, resume Carlos Neves, diretor de Operações de Bauxita & Alumina da Hydro.

Segundo o executivo, a multinacional de origem norueguesa teve um “extraordinário 2020”.


“Aceleramos os esforços de melhoria e conseguimos superar nossa meta para o ano, terminando mais fortes e mais bem posicionados para cumprir nossa agenda e nos tornarmos um líder industrial mais rentável e sustentável”, destaca Neves.

Na Alcoa Brasil, os projetos essenciais de investimento foram mantidos no ano passado, principalmente os de construção e segurança dos lagos, para que as operações continuassem com o máximo de estabilidade.

“A produção de bauxita e alumina foi 4% maior em relação ao ano anterior. Embora a apreciação do câmbio seja um fator positivo para nossas operações, tivemos custos extras para garantir a segurança de nossas pessoas e manutenção das operações”, explica Gisele Salvador, Controller na Alcoa Brasil.

Para 2021, a perspectiva da companhia segue positiva com base na recuperação econômica e no primeiro semestre, cujo resultado foi considerado bom.

“A pandemia, infelizmente, segue em andamento e sua magnitude e duração continuam incertas, assim como seu impacto futuro nos negócios, condição financeira, resultados operacionais e fluxos de caixa das organizações, que podem fazer com que os resultados reais sejam diferentes de nossa perspectiva”, pondera a executiva.

Produção de bauxita aumentou 3% em relação a 2019, totalizando 32.898 mil t (Imagem: Tarso Sarraf/MRN)

Metal primário
A produção de alumínio primário atingiu a melhor marca dos últimos três anos, com crescimento de 5,4% em comparação a 2019, e volume de 685 mil t. Ainda assim, a indústria está longe do auge verificado em 2008, quando foram produzidas 1.661 mil t e o país contava com sete plantas fabris — hoje possui apenas duas.

Segundo João Menezes, presidente da Albras (subsidiária da Hydro), a companhia teve um efeito adverso adicional em 2020 — problema com um transformador da subestação. O fato resultou em uma redução temporária da produção em 20%.

A Albras já opera com plena capacidade. No entanto, na visão do dirigente, o momento é de cautela para toda a indústria. A dinâmica do mercado no segundo semestre deste ano será um importante balizador para planejar e traçar metas operacionais para 2022.

“O que estamos percebendo é que o mercado reaqueceu de uma maneira que requer bastante cautela e reflexão: qual é a demanda de curto prazo para recomposição de estoques e qual é a demanda para uma retomada sustentável pós-pandemia?”, questiona Menezes.

Produção de alumínio primário: atingiu a melhor marca dos últimos três anos, com crescimento de 5,4% em comparação a 2019 (Imagem: reprodução YouTube)

Produtos transformados – produção
No mercado de produtos transformados, a produção também registrou queda, assim como o consumo, com redução de 1,7%, passando de 1.422 mil de t em 2019 para 1.398 mil de t no ano passado. Apenas cabos e folhas cresceram. Veja abaixo o desempenho por produto:

  • Chapas – de 692 mil t (2019) para 685 mil t. (2020)
  • Extrudados – de 224 mil t (2019) para 201 mil t (2020)
  • Fundidos – de 166 mil t (2019) para 140 mil t (2020)
  • Cabos – de 169 mil t (2019) para 192 mil t (2020)
  • Folhas – 74 mil t (2019) para 79 mil t (2020)

A Novelis, que atua na área de laminação e reciclagem de alumínio, observa curva ascendente desde junho de 2020, com recordes históricos de embarques de laminados. A mudança de comportamento do consumidor, que passou a adquirir mais produtos enlatados dentro de suas casas, contribuiu com isso.

“A quarentena trouxe novos hábitos para as pessoas. Em relação ao consumo de bebidas, entende-se que a cerveja em lata passou a ter preferência — o que é confirmado pelas estimativas que mostram que a participação da latinha no segmento de cerveja chegou a 60%”, explica Gustavo Faria, gerente sênior de Centros de Coleta da Novelis América do Sul.

Segundo o executivo, a empresa está preparada para continuar crescendo de acordo com a demanda de mercado, que continua em alta.

“A lata tem o apelo da sustentabilidade e, a cada dia que passa, ganha mais mercados e oportunidades. Essa embalagem está entrando nos segmentos de água, energéticos, entre outros. Além disso, até agosto, inauguraremos a expansão da fábrica de Pindamonhangaba (SP)”, acrescenta.

Neste segmento, o Anuário da ABAL traz outro dado importante: em 2020, 97,4% das latinhas foram recicladas no Brasil, mesmo com os desafios impostos pela pandemia. A Novelis respondeu por 64% desse total. Grande parte da matéria-prima utilizada pela companhia advém de material reciclado — o índice é de 72,5% no Brasil. Na latinha, especificamente, esse número sobe para 76%.

Produtos transformados: produção registrou queda, assim como o consumo (Imagem: Depositphotos)

Tubos, barras e vergalhões
Já a Termomecanica, que atua nos segmentos de tubos e barramentos de alumínio voltados respectivamente para os setores de refrigeração e elétrico, teve que reescalonar a produção no início da crise de saúde. No segundo semestre de 2020, a empresa manteve a produtividade e atendeu os clientes nos prazos negociados.

“No final do ano passado, nosso crescimento foi da ordem de 40%. A demanda dos setores em que atuamos apresentaram uma forte recuperação, que compensou os volumes menores dos meses iniciais da pandemia”, explica Paulo Cezar Martins Pereira, superintendente de Vendas e Marketing da Termomecanica.

Agora, no segundo semestre de 2021, a companhia inicia a produção de vergalhões de alumínio em adição aos outros dois setores já atendidos. O objetivo é atender os segmentos elétrico, de produtos mecânicos e de infraestrutura. 

Balança comercial estável: indústria do alumínio registrou superávit de US$ 1.750 milhões (FOB) em 2020 (Imagem: AdobeStock)

Balança comercial
A balança comercial da indústria do alumínio registrou superávit de US$ 1.750 milhões (FOB) em 2020, ficando praticamente estável em relação a 2019, quando alcançou US$ 1.755 milhões (FOB).

O saldo positivo foi possível graças à baixa significativa das importações, uma vez que as exportações também caíram em 2020.

Veja também:

Hydro tem lucro de US$ 270 milhões no 2° trimestre de 2021

A multinacional de origem norueguesa Hydro divulgou, neste mês de julho, os resultados financeiros das suas operações no segundo trimestre de 2021. A companhia teve lucro líquido de 2,38 bilhões de coroas norueguesas (US$ 270,45 milhões) no período, revertendo o prejuízo de 1,48 bilhão em 2020. A receita registrou alta de 36% em relação ao

Novelis conta com programa de mentoria reversa no Brasil

A Novelis lançou há dois anos um programa de mentoria reversa. Na prática, os jovens líderes da empresa promovem sessões de conversa – que duram cerca de seis meses – com diretores e vice-presidentes. O objetivo é promover uma troca de experiências e até gerar ações concretas.  “É a forma de a gente entender o

Alcoa oferta vagas para projeto Filtro Prensa em Poços de Caldas (MG)

A Alcoa e as empresas contratadas responsáveis pelo Projeto Filtro Prensa da fábrica em Poços de Caldas (MG) abriram 39 vagas de emprego para colaboradores diretos e indiretos, com foco nas obras de implantação e operação da nova tecnologia. Para colaboradores diretos (Alcoa) 12 vagas para a área operacional; 2 vagas para mecânico; 2 vagas

Rolar para cima