Daniel_Nogueira,_acadêmico_do_curso_de_Engenharia_Mecânica_(IFAM)._Foto-Arquivo_Pessoal

Colégio mantido pela Alcoa é o 1º colocado do Pará no Enem 2019

Instituição de ensino também teve boa posição no ranking nacional

O Colégio Pitágoras, fundado há 10 anos no município de Juruti, no Oeste do Pará, com apoio da mineradora Alcoa, conquistou o 1º lugar geral no Estado paraense e a 4ª colocação no Brasil no ranking de escolas públicas e privadas com melhor pontuação no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2019, levando em consideração a comparação entre escolas do mesmo nível socioeconômico.

“A Alcoa apoia o colégio em tudo que é necessário para agregar e fortalecer o processo de ensino. Ao longo desses 10 anos de trajetória, a gente percebe o quanto crescemos. Todos têm sua parcela de contribuição: pais, alunos, professores, coordenadores e diretoria. Esse excelente resultado no Enem 2019 nos fortalece para continuar a desempenhar o trabalho com muito amor, dedicação e parceria”, destaca Karoline Amaral, analista de Recursos Humanos da Alcoa Juruti.

Para Josélia Printes, diretora da instituição de ensino, o bom desempenho é resultado de muito trabalho.

“Comprometimento é a palavra-chave da educação, buscamos isso todos os dias. Mesmo estando em uma região distante dos grandes centros urbanos, conseguimos mostrar que, com trabalho sério e dedicado, equipe qualificada e alunos focados, é possível ter êxito”, afirma.

Veja também:

Hydro compra máscaras caseiras de empreendedores locais no Pará

Para estimular a economia local neste período de pandemia do novo coronavírus, a Hydro adquiriu cerca de 230 mil máscaras caseiras de pequenos fornecedores dos municípios em que suas unidades estão instaladas e as distribuiu para os empregados da Mineração Paragominas, Alunorte, Albras e de escritórios regionais. A seleção seguiu os critérios de qualidade e

A pedido da ABAL, Brasil investiga China por dumping na exportação de laminados de alumínio

Após denúncia realizada pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL), a Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia (Secex) abriu investigação sobre a venda de produtos laminados de alumínio chineses por um preço menor do que o cobrado no mercado interno daquele país, o que afeta a indústria brasileira. Se a prática, chamada de dumping,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu