IMG-20191008-WA0399n

Colaboradoras da Alumar participam de treinamento de sobrevivência na selva

Oportunidade está alinhada à missão da empresa de promover a inclusão de mulheres e melhorar a diversidade de gênero

Cinco colaboradoras da Alumar participaram do 1º Estágio de Adaptação à Vida na Selva (EAVS) para mulheres, realizado pelo 24º Batalhão de Infantaria de Selva, em São Luís, nos dias 5 e 6 de outubro. A ação é fruto de cooperação entre a Alumar e o Exército Brasileiro, com incentivo da Rede de Mulheres Alcoa (AWN).

Ao todo, 20 mulheres participaram do treinamento, entre esposas e dependentes dos oficiais e convidadas. Cerca de 40 militares instruíram as participantes durante as atividades. A Alumar foi à única empresa privada que integrou o treinamento — graças ao bom relacionamento institucional do departamento de Security da companhia com as Forças Armadas.

O objetivo do estágio foi proporcionar adaptação ao ambiente de selva, com técnicas básicas de sobrevivência, orientação e localização na mata. De acordo com a Alcoa, a oportunidade foi extremamente importante e está alinhada à missão da AWN de promover a cultura de inclusão de mulheres e melhorar a diversidade de gênero.

Para Gerlandy Bruzaca Castro da Costa, planejadora de Manutenção da Alumar, a experiência foi enriquecedora. “Aprendi bastante, conheci pessoas diferentes e superei meus limites. É muito bom trabalhar em uma empresa que tem esse tipo de sensibilidade para com os colaboradores. Agora, darei ainda mais valor à vida e às pessoas que me rodeiam”.

Crédito da imagem de abertura: Divulgação

Veja também:

Estudo aponta futuro promissor para a indústria do alumínio

Uma avaliação inicial sobre o impacto da pandemia da Covid-19 na demanda global de alumínio feita pela consultoria CM Group, a pedido do International Aluminium Institute (IAI), revela que embora seja inevitável a queda em 2020, ainda há otimismo significativo para os próximos 30 anos: a previsão é que a demanda possa atingir 298 milhões

Alunorte e UFPA vão realizar pesquisa sobre o uso do resíduo de bauxita

A Alunorte, refinaria de alumina da Hydro, e a Universidade Federal do Pará (UFPA) firmaram parceria para um projeto de pesquisa, com duração de 18 meses, para estudar a viabilidade de produção de cimento de baixo carbono a partir da mistura do resíduo de bauxita com outras matérias-primas abundantes no Norte do Brasil. A iniciativa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu