apple_macos-bigsur_moreapps_06222020_big.jpg.large (1)

Apple quer neutralizar emissão de carbono até 2030

Entre as ações, companhia apoia processo de fundição de alumínio “verde” junto com fornecedores do metal

A Apple anunciou que pretende neutralizar até 2030 a emissão de carbono de toda a sua operação, cadeia de produção e ciclo de vida dos produtos. No Relatório de Acompanhamento Ambiental de 2020, a companhia informa a intenção de reduzir as emissões em 75% e desenvolver soluções inovadoras de extração dos 25% restantes da pegada de carbono.

As iniciativas para atingir a meta incluem:

  • Aumentar o uso de materiais reciclados e de baixo carbono;
  • Inovar na reciclagem de produtos;
  • Desenvolver soluções com maior eficiência energética.

A gigante da tecnologia já apoia o desenvolvimento do processo de fundição de alumínio livre de carbono direto, a partir de investimentos e com a colaboração de fornecedores do metal. O primeiro lote já está sendo usado na produção do MacBook Pro de 16 polegadas.

“As inovações por trás do nosso esforço ambiental não são boas apenas para o planeta: elas nos ajudaram a fazer produtos mais eficientes no consumo energético e a implementar novas fontes de energia limpa no mundo todo. O combate às mudanças climáticas pode ser a base para uma nova era de inovação, criação de empregos e crescimento econômico de longo prazo”, explica Tim Cook, CEO da Apple.

 Clique aqui para acessar o plano completo.

Veja também:

Hydro compra máscaras caseiras de empreendedores locais no Pará

Para estimular a economia local neste período de pandemia do novo coronavírus, a Hydro adquiriu cerca de 230 mil máscaras caseiras de pequenos fornecedores dos municípios em que suas unidades estão instaladas e as distribuiu para os empregados da Mineração Paragominas, Alunorte, Albras e de escritórios regionais. A seleção seguiu os critérios de qualidade e

A pedido da ABAL, Brasil investiga China por dumping na exportação de laminados de alumínio

Após denúncia realizada pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL), a Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia (Secex) abriu investigação sobre a venda de produtos laminados de alumínio chineses por um preço menor do que o cobrado no mercado interno daquele país, o que afeta a indústria brasileira. Se a prática, chamada de dumping,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu