SSUCv3H4sIAAAAAAAEAH1RsW7CMBDdK/UfIs8gASYhYWfo1qEb6nDY13DC+CrbASHEv9eOieqh6ub33t0737v760tViQN4UmJb3ROKmIwZfHAQiG2kF7Mnj5oCOwKTyMQ9RkX4AGHw6JPFk1IQsI+1mXz2T3P2GVeTMIqxI0rizeo0Ow2ZFaofDkl95yu6CqyudhZdfxNTyWP2j+cHqqNlw7H+D8+dQRUcW1L+1y4/PqfNoUerbuN+xd4ODULee59Lxeka0J3LJC6kkQsMgyYuQrmwApMaZOH87UiR7Ys2Dkd0ZcAxJT4XhOUw/kTkHYWOF0hwKZftQrZSLptu3a6bzUpMV2N1Il3+NR/ySFFyt4InnZzapm429aqbyxV283VzUHPQ8BVftaxbJTWoJib4+AFwir2hVQIAAA==

Aneel adia decisão sobre pedido da indústria para flexibilizar pagamentos

Agência reguladora quer aprofundar o tema e dialogar com o setor

O diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), André Pepitone, solicitou mais tempo para analisar o pedido de mais de 50 associações, dentre elas a Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) — realizado por meio de uma carta aberta ao governo, em abril — para pagar apenas pela demanda de energia consumida (e não pela contratada) nos meses de paralisação causada pela pandemia do novo coronavírus.

“Confiamos que a Aneel encontrará uma alternativa que respeite os contratos, não crie subsídios cruzados e responda a essa necessidade imediata de consumidores que precisam de caixa para preservar empregos e poder recuperar a produção. Afinal, só assim teremos um mercado no futuro”, declarou Paulo Pedrosa, presidente da Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres (Abrace).

Segundo Pedrosa, ao adiar a decisão, o diretor da Aneel mostrou que compreende o momento pelo qual passa a economia.

“O diálogo continua para que a indústria, que tanto tem feito no combate ao vírus, seja protagonista da retomada do desenvolvimento e do emprego”, afirma Pedrosa.

A carta aberta das associações trouxe outras propostas emergenciais para o setor elétrico. Clique aqui e saiba mais.

Veja também:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu