Sem título

Alubar altera rotina de operações em função da Covid-19

Empresa segue o protocolo do Ministério da Saúde e adota medidas preventivas

Para enfrentar a crise contra o novo coronavírus, causador da Covid-19, a Alubar, fabricante de cabos elétricos de alumínio e de condutores elétricos de cobre para média e baixa tensão, adequou as operações e promove uma ampla campanha de conscientização junto aos colaboradores.

Seguindo o protocolo do Ministério da Saúde, a empresa aderiu à prática da quarentena de 14 dias, com trabalho no regime home office para os colaboradores que viajaram recentemente ou tiveram contato com pacientes infectados pelo vírus.

“Com monitoramento da equipe de medicina do trabalho, os colaboradores que apresentarem os sintomas ou forem do grupo de risco também serão orientados a ficar em suas residências”, revela Maurício Gouvêa, diretor-executivo da Alubar Metais e Cabos.

Já as equipes administrativas entraram em sistema de escala de trabalho para reduzir o número de pessoas circulando pela fábrica ou aglomeradas nos transportes.  

 Medidas de segurança
Outra iniciativa da Alubar é a campanha de conscientização sobre como se proteger do novo coronavírus. A ação envolve a divulgação de materiais impressos, vídeo (assista abaixo), spot de rádio para a comunidade e postagens em redes sociais. Além disso, foram instalados mais de 30 dispositivos contendo álcool em gel por toda a empresa e nos locais de maior circulação de pessoas.

A companhia adotou ainda medidas para reduzir a aglomeração de pessoas em ambientes comuns e proporcionar maior segurança. Os técnicos de segurança do trabalho estão atuando nos horários das turmas operacionais com o objetivo de orientar e direcionar de maneira mais assertiva as dúvidas sobre o novo coronavírus. Além disso, na área operacional, os serviços de limpeza foram reforçados.

Todas as visitas e o acesso às unidades da Alubar estão suspensos por tempo indeterminado, tanto nas fábricas como no pátio de estocagem, Casa Rosada, escritórios comerciais e Centro de Distribuição em Cotia (SP). A empresa tem alinhado junto aos clientes para que as inspeções de produtos sejam realizadas a distância, com o envio de relatórios por e-mail.

Veja também:

MRN atinge meta de reflorestamento em 2020 no Pará

A Mineração Rio do Norte (MRN), que mantém uma operação com bauxita na Floresta Nacional Saracá-Taquera, no município paraense de Oriximiná, finalizou o ano de 2020 com mais de 500 ha de área reflorestada. O resultado ficou acima da média anual, que gira em torno de 350 a 400 ha. Ao todo, o trabalho envolveu

MRN apoia programa de conservação de quelônios no oeste do Pará

A Mineração Rio do Norte (MRN) é parceria do Programa Quelônios do Rio Trombetas (PQT), que contribui com a sobrevivência da tartaruga-da-amazônia e de outras espécies que sofreram ameaça de extinção, como tracajás e pitiús da Reserva Biológica do Rio Trombetas (Rebio Trombetas). Atualmente, o trabalho é desenvolvido pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da

Estudo aponta distorções provocadas pela China no mercado de alumínio brasileiro

O crescimento da indústria chinesa de alumínio nos últimos 15 anos foi imenso: dono de 24% de tudo que era ofertado ao mercado em 2005, o país asiático foi, em 2019, responsável por 54% do metal produzido globalmente. Mas, por traz desse avanço impressionante, existe uma série de benefícios concedidos pelo governo local, como o

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima