AdobeStock_430119553 (2)

A tecnologia na indústria e os desafios da produção durante a pandemia

CIO da Termomecanica analisa os impactos da Covid-19 para o setor produtivo
Por Walter Sanches

O impacto gerado pela pandemia do coronavírus afetou de diversas formas as empresas, não só no contexto brasileiro, mas global. Entre os principais efeitos causados pelo Covid-19 e a aplicação das medidas restritivas, estão a adoção em massa de ferramentas tecnológicas como forma de auxiliar as companhias com relação às necessidades do mercado. No setor industrial, este processo não aconteceu de maneira diferente. A transformação digital tornou-se peça fundamental para atravessar este momento e grande parte desta rotina deverá se perpetuar com o futuro da tecnologia na indústria.

De certo modo, praticamente todas as tomadas de decisão passaram a ter como componente a pandemia, seja na segurança dos funcionários, na nova capacidade produtiva, bem como no futuro do mercado. Esta necessidade constante de “reprogramar” o negócio sugere uma tomada de decisão mais rápida, baseada em números e com maior componente analítico.

Para que isso seja possível, a tecnologia se torna essencial para o desenvolvimento de soluções inovadoras e para melhorar a comunicação entre as equipes. Neste momento, o home office, por exemplo, é peça chave para garantir que parte do setor continue operando de modo quase contínuo, sem rupturas em relação à forma como era feito anteriormente.

Principais desafios de gerir a produção durante a pandemia
É claro que vemos a transformação digital com bons olhos, mas, até chegarmos neste patamar, os desafios trazidos pela pandemia foram inúmeros e as indústrias precisaram lidar com cada um deles, apoiadas pela tecnologia. Neste contexto, é preciso atentar-se em especial a algumas questões, são elas: cuidar das pessoas e manter a moral da equipe elevada — mesmo sabendo que o ambiente econômico não era o ideal —, readequar a capacidade de produção, adequar as atividades aos novos protocolos, obter mais flexibilidade em relação ao que produzir e adaptar a rotina de trabalho ao home office. Além disso, é necessário manter o nível adequado de matéria-prima e materiais intermediários, ajustar as equipes para o novo cenário de produção, manter o olhar no cenário futuro para compreender o momento certo da retomada e buscar aumentar o alinhamento entre a cadeia produtiva, comercial, planejamento e produção.

Neste contexto, as empresas que já contavam com um processo de transformação digital em um nível de maturidade mais avançado e com pessoas preparadas para decisões analíticas, certamente, saíram na frente, tanto para continuar a operar remotamente, como para tomada de decisões mais rápidas e manter todos os times alinhados na comunicação. À medida que o negócio precisa se tornar mais competitivo, tudo isso necessita da tecnologia para apoiar as decisões e garantir o suporte necessário para as operações envolvidas.

Tendências para o futuro no setor industrial
A indústria tem um ciclo longo de investimentos e, por conta disto, as transformações ainda estão por vir no que se refere aos processos fabris. Este avanço deve se estender ao longo dos anos em um ritmo ainda maior do que se não houvesse a pandemia, motivado, principalmente, pela inclusão da tecnologia na indústria. Neste sentido, a digitalização aparece como a principal tendência para o setor. Entretanto, o que diferencia cada companhia no que se refere ao desenvolvimento é a intensidade e a maneira como cada uma delas incorpora estes avanços.

Com o surgimento da pandemia, as pessoas buscaram apoio nas ferramentas digitais, não só pelo papel que desempenham no trabalho, mas pela experiência que tiveram durante este período. Isto tem sido refletido dentro das empresas e deve continuar ao longo dos próximos anos. Estar atento às mudanças dos clientes e do mercado e se planejar para este novo cenário é a melhor forma de adaptar seus produtos e serviços, bem como aplicar a alternativa que melhor se encaixa no contexto da empresa. Algumas, por exemplo, incorporarão apenas o home office, outras partirão para o comércio eletrônico, enquanto as demais terão que pivotar e encontrar outro nicho de mercado.

Todos estes ingredientes apontam para um avanço ainda mais veloz em direção ao conceito de “Industria 4.0”, não só por ter percebido a importância da tecnologia para o desenvolvimento dos negócios, mas porque as pessoas se tornaram mais digitais e optaram por este caminho. Ao contrário do que se pensa, a transformação digital não é somente a soma dos softwares utilizados por uma corporação, mas, sim, a mentalidade com que o negócio é conduzido. Portanto, quanto mais preparada a empresa estiver para esta transformação, maiores serão suas chances no futuro.

Walter Sanches é CIO da Termomecanica, empresa líder na transformação de cobre e suas ligas.

Veja também:

O papel do alumínio para a retomada do setor da construção civil

A retomada da economia no pós-pandemia é uma realidade que tem tomado forma dia após dia. No segundo semestre de 2020 isso já pôde ser percebido no setor da construção civil, cujo crescimento se manteve durante o primeiro trimestre de 2021. Embora o segundo trimestre deste ano tenha apresentado pequena queda, devido aos altos estoques

Alumínio e cobre dividem o protagonismo no setor de energia

Por Luiz Henrique Caveagna A utilização do alumínio no setor de energia tem ganhado cada vez mais espaço. Mesmo com queda de 4,2% no consumo de alumínio em 2020, o mercado de cabos elétricos foi exceção e registrou aumento no consumo, passando de 193 mil t. em 2019, para 213 mil t. no ano passado,

Métodos de união de materiais para ligas de alumínio automotivas

Nos últimos anos, a tendência de redução de peso dos veículos vem sendo discutida em diversos países. O debate inclui a maior aplicação de ligas de alumínio em estruturas veiculares, viabilizando o alcance de melhores índices de consumo de combustível e emissões de gases poluentes, além de maior autonomia da bateria dos veículos elétricos. Nos

Rolar para cima